OS EXERCÍCIOS DE KEGEL

O que são? Os exercícios de Kegel consistem na repetição sequencial de várias contracções voluntárias e relaxamento subsequente dos músculos do pavimento pélvico, estes sustentam a uretra, bexiga, útero e recto.

Foram assim denominados após Arnold Kegel, ginecologista americano, os ter recomendado, em 1940, no tratamento a mulheres com incontinência urinária. Porquê exercitar? Os exercícios de Kegel trazem inúmeros benefícios à mulher, resultantes do condicionamento da musculatura do períneo (região que fica entre a vulva e o ânus):

O que são? Os exercícios de Kegel consistem na repetição sequencial de várias contracções voluntárias e relaxamento subsequente dos músculos do pavimento pélvico, estes sustentam a uretra, bexiga, útero e recto.

Foram assim denominados após Arnold Kegel, ginecologista americano, os ter recomendado, em 1940, no tratamento a mulheres com incontinência urinária. Porquê exercitar? Os exercícios de Kegel trazem inúmeros benefícios à mulher, resultantes do condicionamento da musculatura do períneo (região que fica entre a vulva e o ânus):

Estimulam a libido (desejo sexual); Potenciam o prazer das relações sexuais (maior facilidade em atingir o orgasmo); Aumentam a sensibilidade da vagina (obtenção de orgasmos mais fortes e prazerosos); Reforçam e restauraram o tónus e a força dos músculos circunvaginais que com o passar dos anos e após o parto perdem elasticidade (a estrutura vaginal começa a modificar-se a partir dos 25 anos);

Previnem a incontinência urinária de stress – a perda involuntária de urina, muitas vezes na sequência de acessos de tosse, espirros ou esforços físicos; Ajudam no trabalho de parto e período expulsivo, propriamente dito;

Melhoram a circulação sanguínea vaginal diminuindo o tempo de cicatrização das episiorafias; Previnem quadros inflamatórios e doenças como o prolapso uterino, cistocelo e rectocelo (protusão do útero, bexiga e recto para o exterior, respectivamente); Essenciais no tratamento de disfunções sexuais – vaginismo e dispareunia (dor na relação sexual); Aumentam a lubrificação vaginal durante a menopausa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *